Controle do tráfego de navios vai agilizar atracações no Porto

Resultado foi destacado por diretor da Indra, empresa que implantará o serviço de VTMIS no complexo santista

FERNANDA BALBINO
DA REDAÇÃO

Monitorar os navios no Porto de Santos e ainda permitir maior rotatividade nas suas entradas e saídas do complexo. Estas serão as principais vantagens da implantação do Sistema de Gerenciamento de Informações do Tráfego de Embarcações (em inglês, Vessel Traffic Management Information System ou VTMIS) no cais santista. Além da maior produtividade, a identificação de acidentes e contaminações é outro ponto forte do plano.

O VTMIS permitirá à Autoridade Portuária monitorar e gerenciar, em tempo real, o tráfego de navios no canal de navegação e nas áreas de fundeio do Porto (na Barra e na Baía de Santos). Também possibilitará uma melhor coordenação de ações durante emergências, como desastres ambientais e acidentes entre embarcações.

De acordo com o projeto básico do empreendimento, ele contará comum Centro de Controle de Operações (CCO), que funcionará na antiga Ponte de Inspeção Naval da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP), na Ponta da Praia. Também serão instaladas quatro torres de monitoramento, em pontos estratégicos da região portuária.

O responsável pelo serviço será o consórcio Indra VTMIS Santos, que receberá R$ 31,07 milhões pela implantação do sistema. As empresas que integram o consórcio vencedor têm experiência na implantação desses sistemas. Elas foram responsáveis pela instalação dos programas de controle do tráfego portuário em complexos da Espanha, do Marrocos e da Polônia.

Recentemente, foram selecionadas para dotar os portos de Vitória (ES) e Southampton, na Inglaterra, de VTMIS. Segundo o diretor de Infraestrutura da Indra no Brasil, Cristiano Alves de Oliveira, com a precisão do monitoramento do tráfego de embarcações, a rotatividade da entrada de cargueiros no cais santista será maior. Isto porque os intervalos entre uma atracação e outra poderão ser abreviados. “Vamos poder aumentar a frequência do tráfego de navios no canal do Porto de Santos.

Isso vale para a ocupação de berços, a entrada e a saída, que você conseguirá fazer de uma forma muito mais apurada. É como o trânsito (urbano). Tem um carro atrás do outro. E se mantém um distanciamento muito maior entre uma entrada e a outra saída. Com o VTMIS, você pode reduzir esse espaço, ou seja, começa a aumentar a frequência e a rotatividade dos navios”, destacou Oliveira. Dados estatísticos e informações sobre as embarcações serão armazenados no sistema de controle. Esse serviço poderá facilitar até o faturamento da Autoridade Portuária, explica o executivo.

“Além do controle marítimo, tem o gerenciamento, a gestão portuária. Esse é um grande diferencial, porque vai possibilitar que o Porto trabalhe as informações com inteligência. Ele vai poder usar a informação dentro da operação e no dia a dia. Os dados estatísticos de toneladas que movimentou no dia, na semana e no mês, vão permitir uma projeção de faturamento”.

As instalações do VTMIS na região

EQUIPAMENTOS

O sistema contará com um centro de controle e quatro torres de monitoramento, instaladas em pontos estratégicos: na Ilha da Moela (costa de Guarujá), na Ponta de Itaipu (em Praia Grande), nos arredores do terminal da Dow Química (na entrada do canal, em Guarujá) e na Ilha Barnabé (Área Continental de Santos). Com esses equipamentos, sua área de varredura irá das regiões de fundeio até o Terminal Marítimo da Usiminas.
Cada torre terá um radar, uma câmera inteligente e um transponder AIS para a coleta de dados das embarcações. Ainda haverá uma estação meteorológica e um marégrafo.

Todos esses equipamentos poderão fazer com que os navios aproveitem mais sua capacidade de carga, segundo o diretor de Infraestrutura da Indra do Brasil. “Determinados navios chegam ou saem com muita carga, o que acaba tornando maior o calado (altura da parte submersa do navio, que aumenta conforme o carregamento).
Dependendo da maré e dependendo da carga, esse navio só pode entrar quando a maré está alta. Então, o Porto poderá usar isso com inteligência e fazer a programação para que seus barcos entrem de acordo com a maré. Em portos em que o problema é mais sério, isso é fundamental. Pode dar a segurança de chamar os navios mais carregados e, com isso, você aumenta a produtividade do porto. Se você consegue dar maior segurança e previsibilidade, aumenta a eficiência e a produtividade”.

MEIO AMBIENTE

Os equipamentos do VTMIS também vão ajudar a preservar o meio ambiente. O sistema poderá identificar vazamentos de resíduos e contaminações no estuário de forma rápida, evitando maiores danos. Isso porque os órgãos responsáveis poderão ser acionados pelos operadores, que atuarão 24 horas por dia no CCO.

“Obviamente, a partir do momento em que a informação é identificada no sistema inteligente que nós temos, é possível agir mais rapidamente para evitar algum dano maior e fazer uma contenção. Você tem uma forma muito mais rápida de identificar (desastres). Nas questões ambiental e meteorológica, o sistema poderá dar informações que, se o porto quiser, podem ser divididas com a comunidade. É o caso das estações, que vão medir índices de neblina e chuva”, citou o diretor de Infraestrutura da Indra no Brasil, Cristiano Oliveira

FONTE: A Tribuna

Speak Your Mind

*